PANORAMICA PLANTA

 

1950
Raúl Rodríguez

Raúl Rodríguez

Durante os anos 50, Raúl Rodríguez, um reconhecido colorista e pintor de automóveis, foi convocado pela fábrica Sintecol para pintar os primeiros 3 protótipos do carro Justicialista, que foi o início da fabricação automotiva na Argentina.

Raúl Rodriguez impressionou à Sintecol com a qualidade de seu trabalho no Carro Justicialista e recebe o oferecimento para se incorporar como promotor técnico, dedicado à área de vendas.

Essa não foi somente sua entrada no mercado das tintas, mas também o princípio para construir sua identidade comercial a partir do desenvolvimento de clientes. Alguns anos depois, ele decidirá empreender seu primeiro negócio independente.

Em 1956 fundou, junto com 2 amigos, a Frostelac, sua primeira fábrica de tintas onde eram produzidas lacas, thinners e diluentes para carroçarias e eletrodomésticos.

 

 

1958
Família Rodriguez

Família Rodriguez

Como lutador incansável, Raúl Rodriguez encontrou sempre em sua esposa, Amelia, e em seus quatro filhos, a compreensão, apoio e a colaboração em cada um de seus empreendimentos. Por esse motivo, em 1958 decide tornar realidade seu próprio e grande sonho: na casa que estavam construindo instalou os primeiros moinhos para a fabricação de tintas.

Então, a nova casa de Amelia e Raúl se transformou em uma reduzida fábrica que, para os vizinhos desconhecedores do pequeno empreendimento produtivo, era uma “Casa assombrada”, devido aos ruídos que durante a noite eram ouvidos no interior do chalé.

Amelia entendeu a necessidade de adiar o desejo da casa própria até que Raúl conseguisse afiançar sua pequena fábrica. O casal continuou morando junto com seus pais e, enquanto trabalhavam, seus filhos cresciam e estudavam.

Raúl comprou, então, um terreno na rua Palmar, na frente do chalé da família, com o economizado no trabalho dos primeiros 12 anos independentes.

 

 

1970

Miguel Ángel

Em 1970 começa a fabricação de tintas em uma pequena Planta em Palmar, Lomas del Mirador, então o filho mais velho, Miguel Ángel, incorpora-se à empresa. Raúl estava dedicado à direção, administração e venda de produtos destinados principalmente a carroçarias, mas logo ampliou sua linha para se projetar no mercado industrial e marítimo.

Nesses primeiros anos, a SINTEPLAST elaborou a pintura para a camuflagem do Tanque Argentino Médio (TAM) e para a 2º Plataforma de Exploração Petrolífera em Astilleros Corrientes. Além disso, suas tintas especiais foram habilitadas para usos em cabeamentos de segurança da empresa IBM e nos submarinos da Armada Argentina. A SINTEPLAST também forneceu as tintas para as superestruturas da frota mercante ELMA, um trabalho que requeria de grande dinâmica e eficiência pois os navios ingressavam só por um dia ao porto. Durante esse tempo era preciso realizar todos os aprovisionamentos e, estava a pintura com a qual fariam a manutenção da nave durante o trajeto.

Ruben Rodriguez

Ruben Rodriguez

Somente dois anos depois ingressou Rubén, o segundo filho, que apenas formado em técnico eletrônico começou em Manutenção trabalhando na edificação da fábrica em Palmar. Participou ativamente na instalação dos tanques subterrâneos, entre os quais existia um diluter de 6000 litros. Enquanto estudava a carreira de Engenharia Eletrônica, dedicava-se às máquinas destinadas à produção e, entre outros equipamentos, construiu a primeira Câmara de Névoa Salina utilizada pela empresa nos testes de seus produtos.

A SINTEPLAST deixou de ser só um projeto familiar e começou a conformar sua estrutura de pessoal. Dos primeiros colaboradores, muitos deles ainda pertencem à empresa e relembram esses primeiros anos. Em sua grande maioria, eles eram jovens apenas formados da escola secundária que moravam na região ou amigos e colegas dos filhos de Raúl e Amelia.

 

 

1975

Miguel Ángel, formado Engenheiro Químico, trabalhava no laboratório da SINTEPLAST quando aconteceu um grande problema. No andar superior, onde funcionava um depósito, existia um vazamento persistente que podia danificar os produtos em estoque. Foi assim que efetuou diversos ensaios, procurando uma solução para essa umidade até que, finalmente, formulou uma tinta o suficientemente elástica e resistente para criar uma verdadeira barreira de solução para o problema.

Após testar o produto entre amigos e conhecidos, decide-se oferecê-lo na construção de moradias na obra Chocón Cerro Colorado, onde tinham problemas de infiltrações e umidade. O ótimo resultado nesta obra foi chave para que só em poucos anos assumisse identidade própria e fosse lançado o Recuplast.

Claudio Rodriguez

Claudio Rodriguez

Em 1976 ingressa Claudio, o terceiro da família, que iniciou suas atividades na área de manutenção enquanto ainda estudava Engenharia. Seus estudos o levaram até o Laboratório de Desenvolvimento de Poliuretanos e, após se formar em 1983 como Engenheiro Químico, especializou-se na área do trabalho, porque a empresa já estava precisando estruturar seu setor de Recursos Humanos. Entretanto, Cláudio, por ser um dos apaixonados pela computação que começava a despontar nas empresas, iniciou a revolução na SINTEPLAST ao informatizar os resumos de contas correntes que até esse momento eram feitos manualmente.

Nessa época são definidos os diferentes setores da empresa, conformando uma reduzida estrutura onde donos e funcionários trabalhavam em equipe, constituindo uma dinâmica organização e ampliando seu fornecimento de produtos para a indústria metalúrgica pesada, metalúrgica leve, naval, aeronáutica, comunicações, grandes obras civis, máquinas agroindustriais e instalações para fabricação.

1979
Gabriel Rodriguez

Gabriel Rodriguez

Em 1979 incorpora-se Gabriel, o quarto e último filho, que propôs estruturar uma força de vendas para ingressar no canal varejista. Com o Recuplast como produto emblema, monta-se o primeiro portfólio de produtos SINTEPLAST.

O complexo mercado industrial tinha conferido a SINTEPLAST uma dinâmica que permitia dar esse novo passo e, mais uma vez, o compromisso de donos e colaboradores possibilitaram que a companhia empreendesse o novo desafio.

Com promoções internas das pessoas que há alguns anos trabalhavam na empresa e com a incorporação de amigos, conformou-se a força de vendas da SINTEPLAST e definiu-se a primeira divisão de negócios da empresa. Por um lado, a indústria continuaria com sua equipe especializada em produtos industriais, liderada por Rubén e, por outro, as tintas denominadas para o lar e obra (atualmente arquitetônicas ou decorativas) seriam comercializadas em lojas de venda de tintas e de cujo staff de vendas cuidaria Gabriel.

A SINTEPLAST soube ganhar a estima e a amizade de seus clientes, que enxergavam uma empresa pequena, atendida por seus donos e com muita vontade de prosperar. Sempre analisando as necessidades do mercado e motivados pelo estreito relacionamento que ia sendo travado com o canal, em poucos anos a SINTEPLAST já era considerada a empresa mais inovadora.

1980

A partir de 1980, a SINTEPLAST começou a crescer fortemente no canal varejista com o lançamento de Recuplast e, para 1982, a empresa já contava com uma completa linha de impermeabilizantes.
Recuplast Frentes
Recuplast Fibrado
Recuplast Tradicional
Recuplast Frestas.

Até os produtos mais avançados
Recuplast Tetos
Recuplast Perdura, ambos desenvolvidos com tecnologia de ponta, são impermeabilizantes com formulação e características únicas que também possuem garantia escrita de durabilidade e resistência
O reconhecimento e a força da marca Recuplast possibilitou a ampliação da linha para outros segmentos, até ficar atualmente com o perfil de marca de maior inovação tecnológica e qualidade no mercado.

Cronologia de uma linha de sucesso

1986 Recuplast Frentes
1988 Recuplast Fibrado
1989 Recuplast Frestas e Juntas
1991 Recuplast Interior
1994 Recuplast Tetos
1996 Recuplast Perdura
2007 Recuplast Texturas
2008 Recuplast Interior Antibactérias Superlavável
2009 Recuplast Frentes Ultra fosco
2010 Recuplast Hidroesmalte
2012 Recuplast Microcimentos

1984
Planta San Luis

Planta San Luis

 

Em 1984 é iniciada uma nova etapa de expansão, com a aquisição de um terreno em Virrey del Pino para trasladar a produção. Quase que simultaneamente, e observando o rápido desenvolvimento da marca em lojas de tintas, são também comprados terrenos no novo Parque Industrial de San Luis. Assim, seria possível centralizar maior capacidade de produção das linhas arquitetônicas e, em Virrey del Pino, a de produtos industriais.

As operações em San Luis começaram em um depósito alugado enquanto avançava a construção da planta e, em novembro de 1985, a SINTEPLAST enviava seu primeiro caminhão com tinta de San Luis a Buenos Aires.

 

 

 

 

 

 

1989

 

Planta San Luis

Planta San Luis

Em 1989, já estava plenamente operativa a Planta San Luis. Atualmente, com capacidade para fabricar 25.000.000 de litros, cobre 50.000 m² em que se elevam 7 naves, ocupadas pela Planta de Tinta Líquida, a Planta de Resinas e o Centro de Atendimento ao cliente da região Cuyo.

A Planta de Tinta Líquida: com capacidade instalada para 2.800.000 litros/mês, conta com 4400 m² dedicados à fabricação, 1100 m² destinados a matérias-primas e 1000 m² para armazenamento de produtos terminados. Seus equipamentos permitem a automatização de 70% dos processos, desde a entrada, a recepção e a movimentação de pós até as linhas de embalagem, etiquetagem e paletização automáticas.

Dentro do mesmo prédio, a planta de resinas ocupa 600 m² com um depósito de 200 m². Nela funcionam, em forma contínua, 3 reatores que produzem 30 tipos diferentes de resinas: alquídicas, acrílicas, formoladas, poliésteres, maleicas e epóxi.

1990

Após exportar durante mais de um ano os produtos SINTEPLAST para a Bolívia, decide-se a ampliação do negócio nesse país e é construída uma planta de produção em Santa Cruz de la Sierra. Em princípio, a planta estava localizada na Av. 26 de Febrero Segundo Anillo e Centenario, ocupando uma superfície de 11.000 m².

Planta Bolivia

Planta Bolivia

Em 1997, graças à evolução que já apresentava a companhia, as instalações foram trasladadas ao parque industrial onde a SINTEPLAST ocupa hoje um prédio de 21.000 m².

Atualmente, a companhia está no segundo lugar no market share nacional e tem se consolidado como empresa local. Com um staff que supera as 200 pessoas, o negócio cresceu de maneira continuada com um forte impulso durante os últimos anos, nos quais triplicou suas vendas. Hoje, a capacidade de produção da SINTEPLAST Bolívia é de 9.500.000 litros anuais e seu depósito contém 1.400.000 litros.

Para entrar e trabalhar nesse mercado, a SINTEPLAST teve de adaptar seu portfólio de produtos às necessidades locais, começando a produzir localmente as diferentes marcas até fabricar, atualmente, 95% dos artigos.

Também foi adaptada a gestão comercial, permitindo responder em forma eficiente às características e necessidades do mercado local.

1993

Durante 1993 começaram as primeiras exportações de produtos SINTEPLAST ao Uruguai.

Em seu inicio, a presença da marca foi através de uma representação e, em 1995, alugou os primeiros escritórios com depósito na rua Centenario, em Montevidéu.

Durante os anos em que foram iniciadas as operações no Uruguai, trabalhou-se com o objetivo de apresentar no mercado a linha completa de produtos SINTEPLAST. A marca já era parcialmente conhecida através das campanhas publicitárias realizadas na Argentina e, de maneira tangencial, chegavam ao país vizinho. Foram anos de intenso trabalho para chegar às lojas e começar a ganhar uma participação no mercado.

Já com uma posição fortalecida, em 2004 decide-se fabricar localmente alguns produtos. Primeiro foi a massa corrida e, para 2006, foi lançada a linha Platalatex, marca exclusiva da SINTEPLAST Uruguai, fabricada 100% nesse país.

Atualmente, essa linha conta com diversos látex, impermeabilizantes, seladores e massas corridas. Todos os produtos são desenvolvidos para cumprir as necessidades do mercado uruguaio.

Em 2011, com a empresa afiançada e uma participação de mercado de 12%, é definido um passo transcendental: a construção de uma planta de produção que permitiria, no médio prazo, a fabricação local de 80% dos produtos.

Planta Uruguai

Planta Uruguai

A construção desta planta foi definida em etapas sobre um novo prédio de 17.000 m². A primeira parte, finalizada em 2011, compreendeu 2500 m² para as linhas de produção dos produtos aquosos e o setor de depósitos, 60 m² destinados a laboratórios e 270 m² dedicados a escritórios e áreas de uso comum.

Esta nova planta permitiu incrementar o armazenamento tanto de matérias-primas como de produtos terminados em 400%, ampliando a capacidade de produção para 3.600.000 litros/ano e de despacho de 20.000 litros/dia.

A próxima etapa compreendeu a instalação de uma nova planta, onde seriam fabricadas as linhas de produtos base solvente, além de ampliar os depósitos.

1996

Em 1996 foram iniciadas as exportações a Cuba, que até hoje continua incorporando produtos. A SINTEPLAST, no decorrer do tempo, continuou desenvolvendo os mercados externos e, para 2006, começava também a vender em outros países da região como o Chile, Paraguai, Costa Rica, Equador, Honduras e Venezuela

1998

Já afiançados nos mercados indústria e arquitetônica, ainda restava um espaço que a empresa precisava cobrir para completar sua oferta de produtos.
Então, em 1998 a SINTEPLAST apresentou a linha de produtos automotiva Trimas. Inicialmente composta pela já reconhecida marca de massas, a linha foi completada rapidamente com lacas e primers, para finalmente incorporar, em 2005, o Sistema Mixing de Valspar Debeer.

A linha de produtos para repintura automotiva Trimas é caracterizada por sua variedade e inovação, adaptando-se sempre às necessidades de seus usuários.

1999

Entre o final de 1998 e o início de 1999, a SINTEPLAST inicia as suas atividades sob licença no Brasil.

Então, definiu-se a centralização do trabalho no Rio de Janeiro e, em uma planta de produção existente, iniciou-se a fabricação da marca de impermeabilizantes Recubriplast.

Atualmente, a SINTEPLAST Brasil produz localmente toda a linha de impermeabilizantes e outros aquosos, e importa da Argentina produtos da linha decorativa além daqueles para indústria.

2001
Planta Ezeiza

Planta Ezeiza

 

 

Após mais de um ano de trabalho e intercâmbio com a Europa, em maio de 2001 começou em San Luis a fabricação dos primeiros lotes de tintas termoendurecíveis em Pó Duraesmal.

A qualidade desta nova linha, bem como sua ampla variedade de cores, possibilitaram que a SINTEPLAST alcançasse 20% de participação neste segmento de mercado em só 4 anos.

A primeira planta de tinta em pó ocupava em San Luis uma superfície de 3000 m², com capacidade instalada de 120 toneladas mensais. Hoje, a fabricação destas tintas é realizada em Ezeiza, onde conta com 3 linhas de fabricação.

 

 

 

2007

Em 2004,  Miguel, Rubén, Claudio e Gabriel, junto com seu pai, decidiram assumir o maior desafio: a construção de um Centro de Operações que incorporasse, em um mesmo prédio, a Direção e as áreas Administrativas e Comerciais de todo o Grupo SINTEPLAST, e que centralizasse as principais Plantas de Elaboração, além do núcleo de armazenamento e logística da companhia, para toda a região.

Esse projeto, que para muitos parecia muito ambicioso, foi tomando forma nos planos, nas mentes e na fisionomia do partido de Ezeiza. A construção requereu de vontade e esforço. O Centro de Operações se tornou realidade graças ao compromisso de donos, funcionários, clientes, instituições bancárias e fornecedores. Todos eles por trás deste grande projeto que hoje é tangível e continua em crescimento.

Planta Ezeiza

Planta Ezeiza

No prédio de 110.000 m², equivalente a 11 hectares, os trabalhos foram iniciados em julho de 2005, para começar em setembro de 2006 as operações no setor de Depósito e Despachos. Após um período de ajustes e de intensa adaptação ao novo sistema de radiofrequência com que opera agora este setor, seguiu a mudança dos escritórios corporativos em março de 2007. Durante os meses de abril e junho, foram trasladados os laboratórios de desenvolvimento e, de maneira simultânea, começou a montagem das 2 linhas de tinta em pó. Em agosto já estava trabalhando a primeira linha da Recuplast e, nos próximos quatro meses, foram instalados todos os equipamentos para fabricação de produtos industriais e automotivos.

A dinâmica de mercado exigiu o compromisso deste grande investimento, visando o futuro. Porque a planta Ezeiza permite assegurar a resposta mais eficiente ao crescimento projetado para os próximos 20 anos.

2011

Inicia-se em 2011 a construção da planta de embalagem de aerossóis. Em uma superfície de 200 m² é instalada a linha de enchimento, a de gaseificação dentro do bunker de segurança correspondente e a de etiquetagem automática finalizando o processo.

A planta de aerossóis inicia suas operações em 2012, e sua capacidade instalada é de 1.500.000 unidades/ano.

2012

Desde 2012, a divisão indústria da SINTEPLAST incorpora a qualidade mais avançada em tintas marinhas através do acordo assinado com a empresa japonesa Chugoku Marine Paints. A partir deste convênio, a produção na Argentina incorporou o know how da CMP Japão e a tecnologia da SINTEPLAST Argentina, esta completa linha de reconhecida qualidade internacional e vastíssima experiência no mercado naval mundial.

2013

No decorrer de 2013 concluiu a instalação dos equipamentos da Planta de aquosos, o último grande avanço da empresa. Automatizada em 90%, a planta conta com capacidade para produzir 36.000.000 de litros/ano.
Todos seus processos de gestão de matérias-primas, bem como de fabricação e paletização estão automatizados com máquinas de última geração únicas no mercado nacional de tintas.

No final do ano, em 1 de novembro, a SINTEPLAST incorporou em seu Grupo empresarial a unidade de negócios de tintas Casablanca, através da aquisição do negócio Decorativo de Basf. Assim, a empresa assumiu a primeira posição em participação de mercado na Argentina, adotando outro grande desafio: continuar crescendo.

2015

Sinteplast hoje

Nossa Visão:
Principalmente, proteção e cor

Nossa Missão:
Liderar o mercado através da tecnologia, segurança, qualidade e eficiência, com recursos humanos comprometidos e altamente qualificados.
Respeitando a comunidade e o meio ambiente, assegurando um desenvolvimento sustentável.